SINPOL RIBEIRÃO PRETO

DR. NICO É NOVO DGP

Governador troca comando da Polícia Civil e da PM

Delegado Nico assume no lugar do delegado Ruy Ferraz; Sinpol deseja sucesso ao novo DGP

Dr. Nico é o novo titular da DGP

O governador Rodrigo Garcia anunciou, no dia 25 de abril, a troca do comando das Polícias no estado de São Paulo. Ele trocou o comandante geral da PM e o Delegado Geral de Polícia. Na PM, o novo comandante é o coronel Ronaldo Miguel Vieira, que chefiava o Batalhão de Choque. Ele assume no lugar do coronel Fernando Alencar Medeiros.

Na Polícia Civil, Rodrigo Garcia anunciou a nomeação do delegado Osvaldo Nico Gonçalves para chefiar a DGP (Delegacia Geral de Polícia). Aos 65 anos, dr. Nico, como é conhecido, ocupava o cargo de diretor do DOPE (Departamento de Operações Policiais Estratégicas). Ele assume no lugar do dr. Ruy Ferraz Fontes, que estava à frente da DGP desde janeiro de 2019.

O novo DGP ingressou na Polícia Civil em 1979, como investigador, mas foi como delegado que ele se destacou. Foi o fundador do primeiro GOE (Grupo de Operações Especiais). Chefiou ainda as equipes do DEIC (Departamento Estadual de Investigações Criminais), do GARRA (Grupo Armado de Repressão a Roubos), e do GER (Grupo Especial de Resgate – DEIC), unidade especializada na soltura e livramento de reféns; além disso, foi delegado de Polícia na Capital, estando à frente de grandes eventos, como a visita do Papa em 2007 e a Copa do Mundo de 2014. Dr. Nico assumiu o comando do DOPE em 2019.

O governador agradeceu aos comandantes que deixaram o cargo. “Agradeço o empenho, dedicação e exemplo do coronel Alencar, que liderou a PM nos últimos 2 anos, e do delegado Ruy Ferraz, que comandou a Polícia Civil de São Paulo”, disse Rodrigo. (continua abaixo da foto)

“Torcemos para que dr. Chain continue e desejamos sucesso ao dr. Nico nesta nova empreitada”, diz Célio

 

Para a diretoria do Sinpol, somente a troca de comando não basta. O presidente do sindicato, Célio Antônio Santiago, destaca que é necessário haver uma política de enfrentamento.

“Dr. Nico é um policial de rua, muito combatente. Claro que desejamos a ele uma feliz administração. Acreditamos que teremos as portas abertas para dialogar. Mas, acima de tudo, é necessário conter os graves problemas atravessados pela Polícia Civil, sobretudo pela falta de políticas necessárias para um real enfrentamento da crise”, adianta Célio.

Segundo o presidente do Sinpol, a Polícia Civil nunca teve um efetivo tão reduzido em décadas, como o atual. “A morosidade dos concursos é imensa. O governo poderia adotar medidas que nós, do Sinpol, já apresentamos, como criação de cargos para policiais civis aposentados, deixando os da ativa direcionados para atividades específicas de Polícia Judiciária. Mas não há vontade política de resolver essa imensa lacuna”, aponta Célio.

O déficit de recursos humanos estimado pelo Sinpol é superior a 15 mil cargos, em todas as carreiras. Mas o sindicato aponta que as situações mais desesperadoras estão nos cargos de escrivão, investigador e delegado. “Hoje um investigador cuida simultaneamente de 700 inquéritos. Há casos de colegas com 1.000 inquéritos para relatar. Muitas cidades da área do Deinter-3 estão sem investigadores e escrivães. Delegados, então nem se fala. As pequenas cidades entre as 93 atendidas pelo Deinter-3 são o principal alvo da falta de delegados. Na maioria das cidades com menos de 50 mil habitantes, a titularidade é acumulada por delegados de outras cidades ou das Seccionais”, denuncia.

Apesar de tudo, o presidente do Sinpol vê com bons olhos a troca. O sindicato espera que dr. Nico possa, entre outras coisas, dialogar com a categoria e intermediar para que o governador, finalmente, receba as lideranças dos policiais civis para uma conversa franca. “O Sinpol está há mais de cinco anos sem qualquer diálogo com o governador. O que deixou o cargo jamais nos deu atenção”, dispara Célio.

Ainda não houve nenhum anúncio, mas mudanças podem ocorrer. Por enquanto o Secretário Executivo da Polícia Civil, dr. Youssef Abou Chahin, segue no cargo. Ele tem sido o único integrante do alto escalão a conversar com os sindicalistas. “Torcemos para que dr. Chain continue e desejamos sucesso ao dr. Nico nesta nova empreitada”, conclui o presidente do Sinpol.

Sinpol – Comunicação Social

Postagens Relaciondas